trilhafull

Muitos deficientes chegaram ao Fórum em Campo Maior em carros improvisados

DSC 0104

O Fórum Regional de Políticas Pública para Pessoas Com Deficiência, que aconteceu no final de semana nos dias 11 e 12 na cidade de Campo Maior, na opinião de quem possui algum tipo de deficiência, representou o espaço da demonstração do que ainda precisa evoluir nas políticas públicas para facilitar a vida de quem possui algum tipo de problema na área.

A realidade é que muitos cadeirantes que residem em outras cidades, não chegaram muito fácil a Campo Maior, e ao local do Fórum, nao por conta do acesso no município, que já está bem evoluindo em relação aos demais, mas por conta dos transportes que vieram.

Alguns chegaram no Patronato, local do evento, em transportes improvisados, inadequados, sem rampas, que facilitaria a entrada no interior dos veículos, numa demonstração do que ainda precisa evoluir. E alguns, até quatro pessoas foi preciso para colocar cadeira de rodas motorizada nos carros para os levá-los de volta aos seus municípios.

Campo Maior já possui dois veículos adaptados, um da Secretaria de Desenvolvimento Social – SEMAS, que serve para deslocar quem tem mobilidade reduzida, às fisioterapias ou para outras questões importantes dando uma economia às famílias de quase R$ 300,00/mês porque antes o transporte era feito em taxi, ou outros carros particulares.

O outro transporte adaptado para que tem deficiência em Campo Maior é o da ADVIC - Associação dos Deficientes Visuais. Segundo o deputado estadual Aluísio Martins estão na luta para conseguir mais um para a ADFAC – Associação dos Deficientes Físicos e Auditivos.

Em muitos municípios do Piauí, estes transportes são raridades, quase não existem, ao contrário da capital Teresina, onde os deficientes já possuem mais independência para circularem na cidade por conta dos ônibus com rampas, com espaços para eles no interior.

O campomaiorense Helder Fonseca disse, que o Fórum, para quem é da classe de pessoas com deficiência foi importantíssimo, porque os deixou por dentro de muitas políticas públicas, que ainda precisam existir para facilitar a vida dos deficientes.

“Este fórum foi muito importante para cada um de nós, para a cidade de Campo Maior, e para os demais municípios também. Foi um momento de podermos está dialogando  frente a frente com que os que sabem quais são os nossos direitos, como também, de tirarmos  dúvidas” explicou. A presidente do COMUDE – Conselho Municipal de Defesa das Pessoas com Deficiência - Sulamita Costa esteve presente nas discussões.

 

Texto e Fotos: Valdamir Alvarenga  

paraiba60pronto