Trilha JONAS 01112017

ESTADUAL

 

A rede social ficou em polvorosa na tarde da última terça-feira 21/11 com a informação de que o capitão Alisson Wattson do Nascimento acusado de matar a estudante Camilla Abreu teria sido solto. A informação não passou de fake news (notícias falsas) e provocou revolta na internet.

camila

 

O capitão está preso há mais de 20 dias no presídio militar. Devido as discussões e a proporção da notícia, a Polícia Militar divulgou um comunicado. Principalmente no aplicativo Whatsapp, o policial aparecia em uma foto dentro de um carro, sentado no banco de passageiro com duas pessoas, numa alusão de que estaria em liberdade. A notícia foi publicada na página do Facebook do "Plantão policial". 

Veja a nota:

A Polícia Militar do Piauí informa que não recebeu qualquer ordem judicial para colocar em liberdade o Capitão Alisson Wattson. 
Informa, ainda, que o referido oficial encontra-se preso e recolhido, no Presídio Militar, e à disposição da Justiça.

Teresina, 21 de novembro de 2017.
John Roberto Feitosa da Silva - Ten Cel PM
Diretor de Comunicação Social da PMPI


No início da semana, o coordenador da Delegacia de Homicídio, delegado Francisco Costa, o Baretta, ressaltou que o policial Alisson Wattson não poderia ser solto. Baretta garantiu que o capitão  é de "alta periculosidade" e não pode ser posto em liberdade. O Ministério Público do Estado do Piauí requereu a conversão da prisão temporária em preventiva e o pedido foi atendido. 

Com informações CV

O Instituto de Medicina Legal (IML) já concluiu o  laudo de exame cadavérico da estudante Camilla Abreu, 21 anos. A conclusão deve ser entregue ainda nesta sexta-feira 17/11 à Delegacia de Homicídios, que investiga o caso. Segundo o exame, diferente da impressão inicial dos médicos legistas que disseram que o tiro que matou Camilla partiu de cima para baixo, foi constatado que o disparo partiu de baixo para cima, tendo iniciado na parte de trás da orelha esquerda da estudante. 

camilla pereira de abreu 1509460272076 956x500

O médico indica que o tiro que matou Camilla partiu de uma distância de 75 a 150 cm, ou seja, não foi a queima roupa. 

O laudo também constata que a morte de Camilla foi provocada por meio "cruel" e que houve "intenso sofrimento". O exame revela que  há  sinais de escoriações (arrastamento e pancadas) na parte inferior da coxa esquerda, tíbia e nas costas da jovem. As lesões, de acordo com a análise, ocorreram quando a vítima ainda estava viva. 

O exame também encontrou vestígios de luta corporal em defesa da vítima. A perícia colheu  fragmentos das unhas de Camilla, no entanto, o laudo ainda não está pronto. Também falta ser concluídos os exames de local de achado de cadáver e as análises feitas no carro do policial militar Allisson Watson, namorado da jovem e suspeito de matar a estudante. O oficial está detido no presídio militar. Allisson deve ser indiciado por homicídio doloso, ocultação de cadáver e fraude processual porque houve tentativa de esconder provas do crime.

Com Informações CV

DSC 4043

Aconteceu na noite deste sábado 11/11, a XI Festa da Cajuína. A tradicional festa foi realizada no Sítio São Bento localizado no município de Nossa Senhora de Nazaré.

Uma das grandes atrações do evento foi a eleição da Miss Cajuína, onde na oportunidade lindas garotas da região concorreram ao título. Após o desfile de seis meninas os jurados escolheram como vencedora, a jovem Janaina Brito. Ela foi eleita a Miss Cajuína 2017.

O evento foi bastante prestigiado e contou com a presença do deputado estadual Aluísio Martins, do prefeito de Capitão de Campos, Tim Medeiros, vereadores, amigos e familiares.

Um dos organizadores da festa, o empresário Ivo Monteiro (Ivo Construção) falou sobre o crescimento do evento ao longo dos anos. “A Festa da Cajuína aqui no Sítio São Bento vem crescendo a cada ano, é uma tradição da nossa família reunir os amigos e nos confraternizamos para valorizar o produto da nossa região que é o caju e consequentemente a cajuína que produzimos aqui”, destacou Ivo.

SEGUNDA PARTE

A segunda parte da XI Festa da Cajuína ficou por conta do show do fenômeno do momento, o seresteiro Cabral. Ele fez todo mundo arrastar o pé.

DSC 4028

DSC 4019

DSC 4035

DSC 4013

DSC 3989

DSC 4049

DSC 4047

DSC 4045

DSC 4000

DSC 3999

DSC 3996

DSC 4038

DSC 4032

DSC 4034

DSC 4053

A Secretaria de Administração e Previdência - SeadPrev, anuncia novo prazo para que todos os servidores estaduais ativos, inativos e pensionistas que não realizaram a Atualização Cadastral compareçam à Secretaria para atualizar os dados. O procedimento deve ser feito de forma presencial até o dia 29 de novembro, seguindo o cronograma de atendimento por ordem alfabética.

recad

Os servidores deverão ficar atentos para não perder esta nova oportunidade dada pelo Governo do Estado. A Atualização Cadastral iniciou em 22 de Junho e se estendeu até 22 de outubro. Posteriormente, foi aberto novo prazo para os remanescentes até 6 de novembro. "Esta é a última chance para que os servidores não fiquem sem receber o salário do mês de dezembro", explica o secretário Franzé Silva.

O secretário ressalta que foi montada toda uma logística durante os quatro meses de Atualização Cadastral para garantir atendimento aos servidores com conforto e tranquilidade. "Eles podiam atualizar os dados, através de um link, que foi disponibilizado durante meses, sem necessidade de correria ou atropelos", lembra. Agora, como cerca de 9.300 servidores não atualizaram os dados, a Secretaria teve que fazer uma nova estruturação para receber os servidores. "O processo que era digital passou a ser presencial", explica ele.

"Recomendo a todos os servidores que para o atendimento presencial tenham em mãos originais e cópias autenticadas de um documento oficial de identificação com foto, CPF, comprovante de residência com CEP válido, além de contracheque ou documento que contenha a matrícula", descreve. De acordo com o Franzé, essas providências vão agilizar o atendimento.

Os servidores que iniciaram a atualização e não concluíram todas as etapas do recadastramento, ou não obteve a validação do documento, continuam inadimplentes e devem procurar a Secretaria de Administração. Apenas os servidores que emitiram o comprovante de regularidade ao final do procedimento estão com o recadastramento válido.

Os servidores que não atualizarem os dados ficarão sem salário até a regularização obrigatória da ficha cadastral. Caso o bloqueio do salário persista por três meses, a SeadPrev vai abrir procedimento administrativo que pode resultar na exoneração definitiva do servidor o banco de dados do Governo do Estado.

Confira o cronograma

servidores

Com Informações CV/SEADPREV