trilhafull

Caminhoneiros impedem tráfego em novo protesto contra alta do diesel no Piauí

Cerca de 50 caminhoneiros se reuniram em uma nova manifestação contra aumento no preço dos combustíveis, na tarde desta quarta-feira (23). O ato aconteceu na Avenida Presidente Getúlio Vargas, próximo ao Balão da Tabuleta, Zona Sul de Teresina. O protesto teve início pela manhã, na BR-316 e no município de Uruçuí, a 459 km da capital, onde 400 manifestantes estão reunidos há mais de 24 horas.

whatsapp image 2018 05 23 at 18.54.44

“A manifestação é pacífica e nossa principal reinvindicação é que baixem o preço dos combustíveis, principalmente do óleo diesel, que é o principal insumo do transporte de carga. Não é uma causa só nossa, é uma causa de toda a população e temos que nos unir para isso”, informou o caminhoneiro Edvan Ferreira.

O aumento do custo do diesel faz parte da política de preços da Petrobras, em vigor desde julho. Para tentar minimizar a escalada nos preços, o governo anunciou que vai reduzir os impostos sobre os combustíveis. No caso do diesel, a proposta é zerar a cobrança da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide).

“Isso não modifica em nada para nós. É irrisória a quantia que vai incidir sobre o valor final, cerca de poucos centavos. Hoje o diesel custa em média quase R$ 4. Não agradou a classe dos caminhoneiros”, afirmou Edvan Ferreira.

As manifestações de caminhoneiros foram registradas em mais 15 estados e no Distrito Federal. No Sul do Piauí, o protesto teve início na manhã dessa terça-feira (22), quando manifestantes bloquearam a rodovia PI-247 com barricadas feitas com pneus queimados e pedaços de madeira. Apenas veículos movidos a óleo diesel estão sendo impedidos de passar.

A estimativa da Polícia Militar é de que pelo menos 80 caminhões estão concentrados em uma das pistas da PI-247, enquanto a maioria dos veículos estacionou em pátios de postos de combustíveis ao longo da rodovia. A PM e os manifestantes calculam que há cerca de 400 caminhões parados na região por conta dos protestos.

Com informações G1

paraiba60pronto