trilhafull16022018

GERAL

9888

A chegada do PMDB no governo do Estado, comandado pelo Partido dos Trabalhadores (PT), causa desconfiança em líderes e militantes dos dois partidos. Contudo, de acordo com o presidente da Assembleia Legislativa do Piauí, deputado Themístocles Filho (PMDB),  mais de 80% do partido apoia a aliança para as eleições em 2018. 

"O partido é totalmente democrático e qualquer cidadão pode ser candidato. Isso é natural, acho que o João Henrique (PMDB) está no direito dele... O PMDB vai para a convenção e mais de 80% do PMDB ficará com Wellington Dias", disse Themístocles Filho, em entrevista ao Notícia da Manhã, desta segunda-feira (06).

Na semana passada, o vice-presidente do PMDB no Piauí, ex-ministro João Henrique Sousa, disse que a aliança PT-PMDB não é conveniente e, mais cedo ou mais tarde, será rompida.

Nesta segunda-feira (06), o PMDB consolida participação no Governo do Piauí com a posse de peemedebistas na Secretaria de Estado da Assistência Social e Cidadania (Sasc) e do Departamento de Estradas e Rodagens (DER).

"A negociação começou há dois anos. Na época da disputa para a presidência na Assembleia, o PMDB não criou nenhum obstáculo para o estado do Piauí, para o governador Wellington Dias (PT)....discutimos ideias propostas. Acima do PMDB, PT ou qualquer partido está o Estado do Piauí. Assim se comportou o PMDB nos últimos dois anos. Não tivemos nenhuma secretaria no governo, mas sempre olhando para o Estado. O governador convidou o PMDB que se  reuniu, analisou e aceitou o convite", disse o parlamentar. 

1658

Enquanto uma multidão se divertia durante o carnaval realizado pela Prefeitura em Campo Maior, os principais atores sociais da atividade de separação do que pode ser reutilizado como reciclavel, circulavam pela a arena da folia em busca de latinhas e Pet, para transformar em fonte de renda. O preço do quilo do produto no mercado de reciclavel para a revenda varia entre R$ 1,20 (um real e vinte centavos) a R$ 2, 00 (dois reais).

A catadora Chaguinha, cadastrada na Cooperativa de Catadores, no bairro Parque Recreio em Campo Maior contou, que por noite conseguia juntar cerca de 40 quilos. Já a catadora Fernanda, residente no bairro Renascer conseguiu juntar bem mais, principalmente na noite de domingo. Ela explicou que o sucesso foi devido ao show do cantor Ávine Vinny,

“Hoje já conseguir juntar uns 30 sacos, cada saco, tem cinco quilos, ou seja, 150k, eu vendo a R$ 2,00 cada. Quando a festa é com esse rapaz, (disse, se referindo ao cantor Ávine Vinny), a gente consegue uma renda boa”, concluiu dona Fernanda, sorrindo. As profissionais estiveram presentes na praça durante os cinco dias de festa.

5012

6017

67053

Texto e Fotos: Silvana Moraes (CCOM-PM/CM)

 

Dona Caguinha associada na Cooperativa de Catadores do Parque Recreio
Dona Fernanda, moradora do bairro Renascer

77888

Começou nesta quinta-feira o prazo para entregar as declarações do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) de 2017. A Receita Federal espera receber 28,3 milhões de declarações neste ano, um aumento de 1,2% em relação a 2016.

O contribuinte terá menos de 40 dias para entregar a declaração de 2017 (ano-calendário 2016).

De acordo com a Receita, em 2016 foram transmitidas 27.960.663 declarações, das quais 771.801 caíram na malha fina. A entidade estima que 239.00 contribuintes tenham perdido o prazo para entrega.

Para quem está em dúvida por onde começar a declaração e não quer ficar retido na malha fina, o site de VEJA ouviu o o vice-presidente Administrativo da Aescon-SP, Wilson Gimenez Júnior. Veja abaixo:

Organização com os documentos
Reúna documentos necessários, como a declaração do ano anterior, comprovantes anuais dos rendimentos, despesas, informes financeiros fornecidos pelas instituições financeiras, conta bancária, investimentos ou financiamento, bem como comprovantes de aquisição ou venda de bens e direitos em 2016. Esses são os insumos básicos para que o contribuinte comece a construir sua declaração.

Em caso de declaração com dependentes, é necessário reunir toda essa documentação deles também.

Rendimentos
O contribuinte deve começar pelos informes de rendimentos pagos a ele em 2016. É imprescindível a obtenção destes documentos junto a seus empregadores, previdência social, empresas em que tenha participação societária, locatários pessoas jurídicas, instituições financeiras e outras fontes de renda.

Esses informes de rendimentos são um espelho dos dados entregues pelas fontes pagadoras à Receita, que contemplam as remunerações, deduções e o imposto de renda retido na fonte. Portanto, é preciso muita atenção na reprodução impecável desses valores na hora de preencher a declaração.

Também é obrigatório declarar os rendimentos auferidos de pessoas físicas ou do exterior, cuja tributação é aplicável em bases mensais por meio do recolhimento do carne-leão no final de cada mês subsequente ao rendimento. Assim, é necessário ter separado os Darfs do carne-leão referentes ao ano de 2016.

Pagamentos efetuados
Essa categoria merece atenção especial. Muitas despesas são dedutíveis, algumas com limites, como as “despesas com instrução”, “contribuições previdenciárias de empregadores domésticos” e “previdência privada”, e outras ilimitadas como as “despesas médicas”, “pensão alimentícia” e “planos de saúde”.

Portanto, é preciso reunir todos os comprovantes dessas despesas, que deverão conter o nome do beneficiário do pagamento, número do CNPJ ou CPF, data (com atenção para não informar despesas que não pertençam a 2016). No caso de despesas médicas reembolsadas total ou parcialmente pelo plano de saúde, é necessário informar o valor do respectivo reembolso no campo correspondente.

Bens e Direitos
Os bens e/ou direitos consistem em saldos de contas bancárias, investimentos, automóveis, imóveis e demais ativos em poder do declarante ou dos seus dependentes. Estes itens devem ser declarados de forma contínua dando sequência à declaração do ano anterior. Se houver uma nova aquisição e/ou venda de algum item será necessário ter em mãos o comprovante, seja ele um recibo, nota fiscal, contrato ou documento que contenha pelo menos a natureza e os dados do bem e/ou direito, nome do vendedor/comprador, CPF ou CNPJ, data e o respectivo valor.

É importante ressaltar que a venda de bens e/ou direitos está sujeita ao IR sobre ganho de capital, cujo vencimento ocorre no último dia útil subsequente ao mês da operação. Esse ganho de capital deve ser apurado em um aplicativo denominado “Programa de Apuração do Imposto de Renda sobre Ganhos de Capital” que pode ser encontrado no site da Receita. Caso tenha ocorrido alguma operação apurada pelo aplicativo, o declarante deverá “importar” estes dados para sua declaração, cujo imposto de renda devido já deverá ter sido pago na respectiva data do vencimento.

Dependentes
Neste ano, só serão aceitos dependentes com idade superior a 12 anos se esses possuírem CPF. Para aqueles declarantes que não optarem pela declaração com desconto simplificado, haverá uma dedução por dependente de acordo com a legislação. É importante não se esquecer de declarar todos os rendimentos que o dependente auferiu no ano passado. A ausência dessa informação é motivo de recorrentes casos de malha fina.

Outras situações e dúvidas
Há outras situações previstas na declaração de imposto de renda pessoa física, tais como: dívidas e ônus, renda variável (para aqueles declarantes que operam com ações), doações e outras que merecem atenção.

No caso de dúvidas sobre o preenchimento, é importante ler atentamente as instruções em cada uma das fichas correspondentes e ainda consultar o Perguntão 2017, que consiste em 704 perguntas e respostas sobre a declaração.

Completa ou Simplificada?
Após a inserção de todos os dados comentados nos tópicos anteriores, é comum o declarante perceber que no seu caso a declaração com desconto simplificado é mais vantajosa. Isso significa que todas aquelas deduções oriundas dos pagamentos efetuados e dependentes serão desconsideradas para fins de cálculo da declaração. Contudo, ele terá certeza de que optou pela melhor forma de tributação.

Conjunta ou Separada?
É muito importante que o declarante simule a sua declaração e a de seus dependentes de forma individualizada. Em muitos casos, incorporar dependentes à sua declaração não traz vantagens tributárias. Portanto, o declarante deve avaliar se vale a pena agregar seus dependentes na sua declaração.

Se necessário, procure um especialista
Se o contribuinte não se sentir totalmente seguro ou não tiver tempo para a preparação da declaração, é importante avaliar a necessidade de buscar o auxílio de um profissional da área. As organizações contábeis possuem vasta experiência na elaboração de declarações de ajuste anual do imposto de renda pessoa física e podem contribuir muito para mitigar os riscos inerentes e encontrar a tributação mais adequada para o seu caso.

(Com informações da VEJA.com)

paaibaprontook