trilhaoutubro2018

GERAL

O vice-procurador-geral Eleitoral, Humberto Jacques de Medeiros, reiterou ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) nesta segunda-feira (20) que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está inelegível.

Medeiros manifestou-se no processo de registro de candidatura de Lula a respeito das iniciativas de quatro cidadãos que acionaram o tribunal para informar sobre o fato de o petista ter sido condenado em segunda instância -o que o enquadra na Lei da Ficha Limpa.

0062f3dd4a92d0f9eeeb07d311364414

"O candidato está inelegível, e o mesmo fato fundamenta a impugnação apresentada pelo Ministério Público Eleitoral. Nestes termos, embora legítima a iniciativa dos cidadãos em apresentar notícias de inelegibilidade, não há, no caso, reflexos nas providências já adotadas pelo Ministério Público Eleitoral", escreveu o vice-procurador-geral Eleitoral.

"O Ministério Público Eleitoral manifesta-se pelo reconhecimento da causa de inelegibilidade noticiada, com o consequente indeferimento do registro de candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva, reiterando-se, na oportunidade, todos os termos da impugnação apresentada."

Com informações CV.

Na manhã do último sábado (18), um homem identificado como Lindomar José da Costa foi preso por policiais da Força Tática de Valença, interior do Piauí. Ele é suspeito de tentar matar a esposa e a filha a facadas no município de Lagoa do Sítio, próximo a Valença.

A motivação para o crime ainda é desconhecida. A polícia informou que ambas as vítimas tiveram ferimentos graves, inclusive em órgãos vitais, e foram transferidas para o Hospital Regional de Valença, onde receberam o devido atendimento.

img 20180818 wa0296 copy

O crime ocorreu na casa onde as vítimas moram. No local, foram encontradas manchas de sangue e a faca usada no crime. A arma branca foi apreendida e o suspeito foi autuado pelo crime de tentativa de homicídio.

Com informações G1.

43099

O crédito bancário para mais de 2,8 milhões de contribuintes, contemplados no terceiro lote de restituição do Imposto de Renda (IR) 2018, será feito nesta quarta-feira (15). A consulta foi aberta no último dia 8. O lote inclui restituições residuais dos exercícios de 2008 a 2017.

Neste lote, o valor das restituições chega a R$ 3,6 bilhões. Desse total, R$ 342,9 milhões são destinados a contribuintes com prioridade: 5.493 idosos acima de 80 anos, 43.345 entre 60 e 79 anos, 7.913 com alguma deficiência física, mental ou moléstia grave e 77.492 contribuintes cuja maior fonte de renda seja o magistério.

Para saber se teve a declaração liberada, o contribuinte deve acessar a página da Receita na internet, ou ligar para o Receitafone, número 146. Na consulta à página da Receita, serviço e-CAC, é possível verificar o extrato da declaração e ver se há inconsistências de dados identificadas pelo processamento. Nessa hipótese, o contribuinte pode fazer a autorregularização, mediante entrega de declaração retificadora.

A Receita disponibiliza ainda aplicativos para tablets e smartphones para consulta à declaração e à situação cadastral no CPF. Com eles, é possível verificar diretamente nas bases da Receita Federal informações sobre a liberação das restituições e a situação cadastral de uma inscrição no CPF.

A restituição ficará disponível no banco durante um ano. Se o contribuinte não fizer o resgate nesse prazo, deverá fazer requerimento por meio da Internet, mediante o Formulário Eletrônico - Pedido de Pagamento de Restituição, ou diretamente no e-CAC, no serviço Extrato do Processamento da declaração do IR.

Caso o valor não seja creditado, o contribuinte poderá contactar pessoalmente qualquer agência do Banco do Brasil ou ligar para a Central de Atendimento, por meio do telefone 4004-0001 (capitais), 0800-729-0001 (demais localidades) e 0800-729-0088 (telefone especial exclusivo para deficientes auditivos) para agendar o crédito em conta corrente ou poupança, em seu nome, em qualquer banco.

Fonte: Com informações da Agência Brasil

343321111

Um sargento da Polícia Militar está entre os presos da Operação Piauí Seguro. Ele foi preso na manhã desta terça-feira (14). Ele é suspeito de crime sexual contra uma criança de nove anos. Além do PM, outros sete pessoas foram presas na operação, deflagrada ontem (13). A Operação Entre Rios, também deflagrada ontem, prendeu 10 pessoas. Até o momento, as operações contabilizam 18 prisões.

De acordo com o boletim de ocorrência registrado pelo pai da vítima, do crime envolvendo o sargento, identificado como Eliaquim Matos, o suspeito teria violentado a criança quando exercia a função de agente de portaria em uma escola particular, localizada na Rua Paissandu, no Centro de Teresina.

De acordo com a Secretaria de Segurança, na Operação Piauí Seguro, os presos foram identificados como Francisco Rodrigues dos Santos (crimes sexuais contra criança), Lucas Sameque Guimarães Medeiros (violência doméstica), Marciano Martins Calixto (homicídio), Samuel Nascimento (roubo), Alexandre (porte ilegal de arma de fogo), Eliaquim Matos (crime sexual contra criança), Igo Dione (comércio ilegal de arma de fogo), Rodrigo (roubo).

O secretário estadual de Segurança, Rubens Pereira, disse em entrevista ao Jornal do Piauí, que as operações continuem ocorrendo e mais prisões podem ocorrer ao longo do dia.

“O que nós buscamos com essas operações é reduzir cada vez mais o índice de criminalidade na capital, o crime organizado, o tráfico de armas, de drogas, para termos um Piauí mais seguro”, disse o secretário.

Operação Entre Rios: sítio luxo

Deflagrada pela Delegacia de Prevenção e Repressão a Entorpecentes, com apoio da SENARC-MA e PRF-PI, a Operação Entre Rios desarticulou uma organização criminosa atuante no tráfico de entorpecentes. A quadrilha tinha um sitio de luxo, avaliado em R$ 1 milhão, na zona rural de Timon. O espaço era uma especie de "Central de Distribuição de Drogas".

Segundo o delegado da Depre, Matheus Zanatta, a droga que vinha de Pernambuco era guardada no sitio, e depois destribuida para Teresina.

Zanetta explicou ao Cidadeverde.com que até o momento somente 10 pessoas foram presas, entre prisões em flagrante e com mandado de prisão. "A companheira de um dos presos foi conduziada para a Depre, mas ela prestou depoimento e foi liberada. São dez prisões".

Para o coordenador da Delegacia de Prevenção e Repressão a Entorpecentes, delegado Cadena Júnior, os traficantes usam sítios, afastados na zona rural, para tentar atrapalhar a investigação.

“Essa é uma forma de ludibriar o trabalho da polícia, de enterrar a droga, de armazenar em sítios, mas acontece que o trabalho de inteligência e a investigação da Secretaria de Segurança, da Polícia, é muito eficiente, e também contamos com o apoio do Canil da Polícia Rodoviária Federal”.

Na Operação Entre Rios, os presos por tráfico de entorpecentes e associação criminosa foram identificados como: Carlos Roberto dos Santos, Francisco Dalton de Araújo Oliveira, José Terto da Silva Filho, Fabricia Abreu Fernandes Noronha, David dos Santos Bonfim, Sebastião Rodrigues Marques e Daniela Rodrigues Marques de Oliveira, Hailton da Silva Marques e Manoel Alcides da Silva e Airton (nome incompleto). O empresário Carlos Roberto é indicado como líder da quadrilha.

 

paraiba60pronto