trilhafull

REGIONAL

 

A Ferrovia Transnordestina Logística (FTL) emitiu uma nota afirmando que o local do acidente envolvendo as três jovens, que caíram de uma ponte ao tirarem selfies, em Castelo do Piauí (PI), é de área restrita, sendo proibida “a circulação de pessoas não autorizadas no local”.

Na nota, a Transnordestina lamentou o acidente e ressaltou que a empresa iniciará uma investigação para apurar as causas do acidente.  “A ponte é de uso exclusivamente ferroviário”, destaca. 

95c32781e17b82e9a76d8388ede30174

As vítimas foram identificadas como V.A.F, 22 anos, que teve fratura da perna direita;  F.L.L., de 15 anos, com fratura exposta também da perna; e M.G.R.R., de 16 anos, fratura perto do calcanhar esquerdo. Elas estão internadas no Hospital de Urgência de Teresina (HUT).

De acordo com o HUT, em boletim nesta terça-feira (24), todas passaram por cirurgias, estão conscientes e não possuem previsão de alta médica.

Entenda

As três jovens caíram de uma ponte ferroviária na zona rural de Castelo do Piauí (a 190 km de Teresina) da tarde de domingo (22). Elas estariam tirando fotos quando se desequilibraram e caíram. 

O comandante do Grupamento da Polícia Militar em Castelo, sargento Antônio Francisco de Oliveira, conhecido como sargento Gomes, informou que a ponte fica na localidade Xinguara, há cerca de 18 quilômetros da zona urbana, liga Castelo a Buriti dos Montes e é usada pelo trem que segue para o Ceará.

O militar afirmou ainda que a ponte tem cerca de 20 metros de altura e que duas caíram no matagal e uma terceira nas margens do rio. “Elas tiveram muita sorte de não terem perdido a vida, porque o local é muito alto”, revelou. 

Segundo o sargento Gomes, além das três meninas havia uma quarta, que pediu socorro. 

Nota - Transnordestina 

A Ferrovia Transnordestina Logística (FTL) lamenta o acidente ocorrido em Castelo do Piauí com a queda de três jovens de um recuo localizado em uma ponte ferroviária. A ponte é de uso exclusivamente ferroviário e a circulação de pessoas não autorizadas é proibida no local.

A empresa iniciou uma investigação para apurar as causas do acidente.

Com informações CV

A mãe que denunciou crime de racismo contra sua filha de dois meses de idade disse que a prisão da dentista - suspeita de ataques discriminatórios - é um sinal de que a "justiça será feita". 

Na manhã desta terça-feira (16), a dentista Delzuite Ribeiro de Macedo, 31 anos, foi presa após denúncia de racismo contra uma bebê de dois meses. Ela fez postagem ofensiva contra a mãe e a criança em rede social.  Na Delegacia de São Raimundo Nonato existem sete denuncias de racismo contra a dentista. 

99c1c823 5850 45b3 b741 481fbd3e3fb3

Na postagem, ela afirma: "Já vi que você saiu da senzala, porém a senzala ainda não saiu de você". E ainda: "Não me interesso por gente que nunca chegará ao meu tom de pele". Sobre os ataques a criança, ela diz que o bebê é "feio" e não é "lindo e branco" como o seu filho.

"Quando li aquela mensagem fiquei revoltada, chorei. Ela ofendeu não só minha filha, mas uma raça. Como uma pessoa chama uma criança de dois meses de vida de feia. Só uma pessoa amarga e mal caráter", disse Thaiane Ribeiro Neves, de 30 anos, mãe do bebê que acionou a Polícia Civil contra o crime de racismo. 

 Ela disse que recebeu com tranquilidade a informação da prisão da dentista e espera que as outras denúncias sejam agilizadas. 

"Esse tipo de atitude não pode passar impune. Passei minha gestão toda aguentando ofensas, mas quando ela atacou minha filha vi que ela passou dos limites. Eu não sei de onde veio esse ódio tão grande contra mim".

Thaiane Neves, que também é dentista, disse que cobrou uma posição do CRO (Conselho Regional de Odontologia) que ficou omisso, diante das graves denúncias contra a Delzuite Ribeiro de Macedo. 

"Deveria ter dado pelo menos uma advertência, pois ela atingiu todos os negros", disse. 

Segundo Thaiane foi um ano e meio de desassossego e que evitava até sair de casa.

"Espero que ela saia com outra cabeça, que tenha paz, não consigo entender porque tanta raiva e ofensa". 

 

racismo

Com informações CV

A estudante Marta Rayssa Oliveira de Carvalho completou 10 anos no domingo (15) em um abrigo na cidade de José de Freitas, Norte do Piauí. A festinha aconteceu após amigos, profissionais que trabalham no abrigo e policiais se unirem em uma coleta de recursos para comprar bolo, refrigerante e salgadinhos. A menina morava perto da Barragem do Bezerro, que corria risco de rompimento ao longo da última semana.

whatsapp image 2018 04 15 at 13.42.26

A técnica em enfermagem Marinalva Ribeiro da Silva, contou que a ideia para fazer a festa de aniversário surgiu a partir do momento que Rayssa contou que estava fazendo 10 anos no domingo. “Ela disse para a gente que estava fazendo aniversário e a gente resolveu fazer uma arrecadação quando os policiais chegaram e resolveram ajudar também”, contou Marinalva Silva.

Rayssa aproveitou bastante a festa promovida de modo solidário. “Foi uma festa muito boa. Teve muita gente”, contou a estudante. Ela contou que morava bem próximo da Barragem do Bezerro antes de ser levada para o abrigo que fica em uma escola municipal. “A gente está aqui desde segunda-feira passada. Fiquei muito feliz com a festa”, disse.

Os policiais que ajudaram na comemoração acompanhavam a visita do ministro da Integração Nacional, Pádua Andrade, a José de Freitas, para inspecionar a Barragem do Bezerro. “A gente estava acompanhando o ministro e ela falou que estava fazendo 10 anos. Resolvemos fazer uma vaquinha rapidinho e ajudar a fazer a festa”, comentou o tenente-coronel Márcio Oliveira, da Companhia Independente de Trânsito (CIPTran).

Com informações G1

Dois trechos da BR-343 que liga Teresina a região Norte do Estado estão sendo monitorados pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), nesta sexta-feira(134), devido às chuvas e a cheia dos rios. 

sddefault

Um deles é o km 340 em Teresina (próximo a HotSat), que devido as chuvas aumentou a passagem de água de um lado a outro da pista. Por volta das 23h, o trecho chegou a ser totalmente interditado, mas foi liberado na madrugada e agora funciona com uma parte obstruída, mas com sinalização. 

Segundo a PRF, dois veículos pequenos conseguem se cruzar normalmente, já os grandes são prejudicados e precisam de mais cuidado. O caso foi comunicado ao DNIT e solicitada uma vistoria. 

aeca0696 3a88 4816 a23c bd00d5bd94ac

Campo Maior

Outro trecho que chama atenção da PRF é em Campo Maior (a 80 km de Teresina), em uma ponte sobre o Rio Pintadas, no bairro Cariri. A água já está praticamente rente com a rodovia, faltando poucos centímetros para atravessar por cima. 

Os policiais rodoviários monitoram a região e também acionaram o DNIT. Eles lembram que ano passado, as águas chegaram a invadir a pista, supostamente sem danos ao local. 

 30265237 2113368252012726 5146363963075723264 n
De acordo com o prefeito da cidade, José de Ribamar, o Ribinha, mais 50 famílias estão desabrigadas e 600 famílias alagadas por conta da cheia de rio.

Ele Ribinha, disse que as fissuras na ponte não são consideradas 'assustadoras'. Contudo é necessário um acompanhamento permanente, uma vez que a água do rio encobriu totalmente alguns trechos da rodovia. 

"Ontem à noite eu requisitei a equipe de engenharia e a PRF que foram a ponte. Na verdade, essas fissuras já existiam e os técnicos disseram que a situação não é de assustar. Solicitei também o apoio do Exército e estamos acompanhando todas as pontes da BR-343. Há água de todos os lados da rodovia e precisamos urgentemente de acompanhamento diário, pois as chuvas continuam e se continuarem nesta proporção pode acontecer mais danos", alerta o prefeito. 

Na cidade, os bairros mais atingidos são Flores, Horto Florestal, Cariri, Califórnia e Matadouro. Há também algumas estradas vicinais totalmente intrafegáveis.

Com informações CV

paraiba60pronto